quinta-feira, 15 de setembro de 2005

Tecnologia de ponta

Ontem um grande amigo meu disse-me que o seu carro novo tinha problemas. Mais concretamente tinha batido com o pneu traseiro numa esquina murada do jardim. Como era de esperar não ligou ao assunto e tomou o rumo desejado para o destino previsto. Só que pelo caminho notou que o carro fugia um pouco, principalmente ao travar. Pensava ele que o veículo estava desequilibrado, situação resolúvel com um alinhamento de direcção e calibração dos pneus.
A aflição tornou-se maior quando começaram a acender luzinhas no painel de instrumentos aliadas aos irritantes avisos sonoros.
Como sempre o meu tom jocoso não o ajudou. Disse-lhe para voltar à base e ir com a máquina à oficina. Sei que é desagradável mas, em carros caros é melhor prevenir - antes que o acusem de condutor desleixado.

Hoje encontrei-o e perguntei-lhe de que sofria o paciente.

Bem…nada mais que um braço da suspensão estragado. Fiquei perplexo. Um toque num passeio e braço de suspensão pró galheiro. Imagino se fosse na roda dianteira: braço de direcção, suspensão,etc…

Nada mal. Compra um gajo um carro de mais de 6 mil contos para isto. Bates no passeio e pimba...

Pensei com os meus botões que já não se produz artigos como antigamente. No caso dos carros boas eram as marcas que fabricavam máquinas de guerra; prontas para qualquer serviço, nas condições mais adversas de utilização. Bastava algum óleo (cheguei a ver colegas que andavam em carros nos quais “metiam” óleo fula sem qualquer problema) e combustível. E andavam, andavam.

Mas a tecnologia evoluiu…para mal dos nossos pecados.

Hoje assistimos à era da tecnologia de ponta.

Reflectindo sobre o assunto e a origem da designação “tecnologia de ponta”, pensei: ponta porquê?

Andei às voltas com isto até que “vi a luz”.




Ponta porque o consumidor destes utensílios (ditos de ponta) é comparável aos condenados que eram postos a dançar na na tábua dos galeões piratas, própria para os inssurectos. Isto é, o consumidor está na ponta do da tábua, bastando um pequeno deslize para ir ao fundo.

Não é assim que nos sentimos perante acontecimentos como o vivido pelo meu colega?

Pagamos e ainda somos bandidos?

3 comentários:

moonj_Rita disse...

Aí está uma explicação plausível. Os automóveis só dão despesas. Juntas dinheiro para comprar um carro e dizes "Agora já tenho dinheiro, posso comprar o meu carro". Nada disso! Tens que juntar mais e pôr de lado. tens que ter um fundo de maneio para levar a viatura constantemente a inspecções, revisões, pneus que batem em passeios, toques que te dão durante a noite e que nunca descobres quem foi, já para não falar do combustível que é absurdamente caro...Enfim, viva os automóveis, que apesar disso tudo nos levam todos os dias úteis para o trabalho e aos fins de semana para os nossos retiros. Beijo

amie disse...

olha, cá para mim carros é mesmo sinónimo de despesa!odeio-os por isso..quando mais precisamos...
enfim, mas é em tudo isso, já não se fazem fogões, carros, frigoríficos, varinhas-mágicas, como dantes!
tudo tem uma esperança de vida bastante reduzida!

Ernesto disse...

ponta, porque não percebem a ponta de um corno...