sexta-feira, 3 de março de 2006

Saloio(ismos) ou esperteza saloia

Ainda não consegui estabilizar a minha vida a nível profissional. Os contractos sucedem-se, ano após ano, e precariamente lá vou andando.

Não me aflijo muito por isso, ao contrário dos meus colegas de empresa. Confio em mim e no meu trabalho e já não será a primeira nem última vez que, sem qualquer aviso, ouço o barulho da porta a abrir.

Sou um pouco masoquista confesso. Gosto de novos desafios, gosto de rotatividade e de aprender coisas novas. Aliás quando estou como actualmente (prestação de serviços) se o trabalho consistir em processos repetitivos começo a errar por desatenção e desânimo.
Sei que não tenho idade para andar aos saltinhos, dois anos aqui, dois anos ali, trabalhar “por minha conta” e depois começar a trabalhar para outros.
Também não me dou lá muito bem com patrões pois sou muito reivindicativo.

Os contras contam-se por muitas mãos juntas: Ainda não tenho casa, o carro custou-me muito a comprar, ainda não casei (uagghh) e não tenho filhos, mais uma série enorme de “circunstâncias” que dão azo a muitas queixas dos nossos pais.
Rebelde? Acho que não. Normal, nos nossos dias.

A independência acima de tudo é-me muito grata. Não preciso de dar graxa! Não tenho nada a temer do patrão. Trabalho, tento sempre dar o meu melhor, por vezes sem dar cavaco a ninguém. E quando é preciso dizer as verdades na cara aos chefes elas saem, sem medo de represálias.

Mas o que eu queria dizer é que apesar de tudo e à minha maneira, peculiar, tento ser o mais honesto e humano possível com todos, inclusive com as obrigações para com o Estado. Pago impostos como quase todos, embora não ache muito justo o que nos é cobrado e esperançoso que em breve todos paguem a sua parte, de modo a tornar possível uma redução nas taxas de IRS, IVA e afins. Não tenho vida de rico, não tenho o que queria mas tento ao máximo ser feliz.


Fiquei perplexo quando li nos jornais de 01.03.2006 que uma das nossas maiores empresas (senão a maior) vai recorrer a uma sua subsidiária, sediada na Holanda, para efectuar uma OPA sobre uma empresa portuguesa. Esperam assim aliviar a carga fiscal que lhes cabe, mais concretamente isenção do respectivo imposto de selo.

Considero esta acção saloia um ultraje à inteligência de todos nós.

Estas empresas não poluem como as outras? Não utilizam as nossas estradas e auto-estradas? Não usam e abusam da nossa mão-de-obra, explorando sempre os mais necessitados? Não provocam doenças profissionais? Não calcam os seus fornecedores, submetendo-os a estratégias de marketing nojentas, em nome da maximização de proveitos?
E julgam que por pagar muitos impostos (naturalmente face aos lucros descabidos que geram sempre à custa dos outros) são suas Ex.as e não estão para aturar os actuais regimes contributivos. Querem encher mais o bandulho? Portugal já não interessa? O governo e as câmaras municipais já não vos abrem mais as pernas? O salário mínimo está muito alto?

Empresas destas só me dão vómitos. Quando todos tentem empurrar o barco para a frente aparecem sempre estes energúmeros, cheios de peito e de dinheiro e das duas uma: ou vêm logo com ameaças ou conseguem fugir com o rabo à seringa.

Não lhes reconheço mérito algum em serem proprietários de grandes fortunas porque imagino que para terem tanto é porque ou roubaram ou espezinharam muita gente.

Ide para fora, ide pró car#%$.

E já agora levai a tenda toda e ficai por lá.

10 comentários:

kiko disse...

É o bom exemplo que dão... é de uma irresponsabilidade social enervante...

Quanto aos símbolos #%$ não percebo, quererão significar alho, com o prefixo car!? Formaram, portanto, a palavra caralho! é deve ser deve! Realmente faz sentido pró caralho com esses caralhos... faz sentido! Abraço :D

Periférico disse...

É como a isenção dos lucros da Banca de alguns impostos, não se entende... por que raio é que um profissional liberal precário em início de carreira tem que cobrar aos seus clientes 21% de IVA? Partilho a tua indignação contra esta amoralidade vigente!

Um Abraço

hmscroius disse...

E mais nada.

Humor Negro disse...

Compreendo a revolta mas desta vez não concordo contigo.
O Estado desta bela novela mexicana estrangula os contribuintes com taxas e impostos. Mas as empresas nacionais são ainda mais estranguladas que os próprios contribuintes. O Estado inviabiliza o crescimento saudável das suas empresas, que por sua vez causa desemprego e miséria económica e social. A solução para que um empresa continue a ser competitiva, a gerar empregos neste país, e a dar lucro (que afinal é o objectivo último das empresas privadas) passa em última instância em deslocalizar as suas sedes para países onde a carga fiscal e outro tipo de «cargas» é mais leve (nomeadamente Holanda e Irlanda). SE assim não fosse as empresas como a Sonae, que aqui referes, não empregariam a quantidade de malta que empregam.

Ernesto disse...

naõ comento porque corro o risco de ser insultado.


Sinceramente acho que, dentro da legalidade, todos os meios são legítimos para atenuar a carga fiscal.

Ana disse...

Apoiado!!

Sara MM disse...

é tão bom não saber engolir em seco :o)
não engraxar ninguem
nao stressar pr antecipação!

Alguem hoje em dia tem contracto e aumentos garantidos?!!?!?! Não!

continua que vais longo - ah pois vais... LOL

Armando S. Sousa disse...

A Sonae há muitos anos que utiliza este artíficio contabelístico, legal para pagar menos impostos. O Estado português, na minha opinião, deve repensar e muito bem a política de cobrança de impostos, sejam de pessoas colectivas sejam particulares, porque na realidade, por este andar, todos temos de trabalhar para o Estado.
Um abraço

Freddy disse...

Devias era ir PRÁ TROPA!!!Como o Telmo!!!

Morwen disse...

ai como é bom ver o meu priminho a indignar-se com o mundo nojento que nos rodeia...:)
bjinhu!